Pequenas Empresas

Instituto Camargo Corrêa beneficia 12 mil pessoas com BNDES

Quarta, 20 de Março de 2013, às 18:43
Projetos como Casa do Artesão, em Sergipe, atendem comunidades vulneráveis Projetos como Casa do Artesão, em Sergipe, atendem comunidades vulneráveis

A parceria entre o Instituto Camargo Corrêa (ICC) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) já beneficiou cerca de 12 mil pessoas e familiares, em regiões de vulnerabilidade social. O Acordo de Cooperação Técnica, firmado há dois anos, busca qualificar profissionais e estruturar atividades produtivas com populações de baixa renda nas comunidades onde atuam as empresas do Grupo Camargo Corrêa.

Desde 2011, quando foi assinado o convênio entre o ICC e o BNDES, já foram investidos R$ 11,3 milhões em 23 projetos, beneficiando comunidades de 20 municípios espalhados pelo país.

"Para nós, a parceria amplia e qualifica as ações de investimento na área de inclusão produtiva realizadas com as empresas do Grupo Camargo Corrêa. É importante que o investimento social privado esteja alinhado com políticas públicas para não ocorrer sobreposição e para auxiliar na sua execução", destaca o diretor-executivo do Instituto Camargo Corrêa, Francisco Azevedo.

A parceria começou a ser desenhada em 2010. A assinatura do Acordo de Cooperação Técnica e Financeira aconteceu em fevereiro de 2011 e fixou um convênio de R$ 50 milhões de investimentos até 2016 - R$ 25 milhões de cada um. Os projetos que recebem os recursos são definidos conjuntamente pelo BNDES e pelo Instituto Camargo Corrêa em Planos Anuais de Investimento (PAIs).

Os investimentos são destinados à promoção de oportunidades de trabalho e renda, com foco em grupos produtivos de comunidades vulneráveis. Profissionais do Instituto Camargo Corrêa atuam ao longo do processo dando apoio em todos os aspectos do negócio, como constituição de capital de giro, fortalecimento da infraestrutura, aquisição de equipamentos, realizações de capacitações e assessorias técnicas.

O objetivo é potencializar o trabalho de grupos produtivos para que possam se fortalecer e criar valor em suas comunidades. As áreas prioritárias para aplicação dos recursos são a região Norte, Nordeste e os Territórios da Cidadania - áreas de maior vulnerabilidade, estabelecidas pelo Governo Federal. A parceria trabalha com enfoque de gênero e juventude, priorizando empreendimentos liderados por jovens e mulheres.

Os projetos podem ser territoriais, que beneficiam diretamente grupos produtivos de determinada comunidade; transversais, que criam redes entre diferentes comunidades; e de gestão, que procuram auxiliar as prefeituras na modernização da gestão pública, permitindo o aumento de arrecadação municipal, a diminuição da dependência dos recursos federais e oferecendo um serviço mais eficiente ao contribuinte.